Rafaella no coração dos magiares

Estou ensaiando este texto desde o dia em que comprei minhas passagens com destino à Budapeste. A gente que é goiano de pé rachado e nunca viu um avião internacional na vida, se enche de dúvidas e questionamentos sobre como deve ser o mundo além fronteiras brasileiras.

São só 2 meses de viagem, mas o coração tá acelerado. O quanto se pode aprender em um intercâmbio de 6 semanas? O quão se pode conhecer do mundo em 60 dias?

Recebi um email de Manasi, uma indiana que também é intercambista do projeto, tão cheia de dúvidas quanto eu. Estamos conversando, ansiosas de trabalharmos juntas em Debrecen. Aos que ainda não estão inteirados, iremos trabalhar em um campo de refugiados administrado pelo escritório de imigração da Hungria, em Debrecen. Posso dizer que em alguns metros quadrados terei a oportunidade de conhecer mais do mundo, eu espero.

Tô com medo de ler tudo em Húngaro e não entender; tô treinando mimiquês pra falar com as famílias árabes que moram no campo; tô segurando as bica pra não gastar a toa e poder viajar o máximo que puder (carpe diem enquanto o dinheiro suado permite); tô ansiosa pra ver qualequié a do Chico Buarque sobre Budapeste; mas tô bem mais ansiosa pra ser um impacto na vida de alguém, pra receber conhecimento e ensinar, se eu puder.

Daqui uns dias estou indo e pra quem tá curioso, como eu, pra saber o que vai ser de mim no coração da Hungria, um outro intercambista que já fez o mesmo projeto pela AIESEC deixou sua contribuição bem aqui: http://experience.aiesectoronto.com/?p=257. Tá em inglês, mas nada que um tradutor não resolva.

Depois de ler isso fiquei bem mais ansiosa, se posso dizer 🙂

Vou registrar aqui as minhas experiências do intercâmbio, assim nada fica perdido em posts aleatórios no Facebook e no Instagram.

Viszlát!

10 respostas para “Rafaella no coração dos magiares”

  1. Espero poder fazer as duas coisas, Verinha!

  2. Deus, como foi que você foi parar nesse intercâmbio? hahaha
    Parece ótimo e estou ansiosa para conhecer do lugar :3
    http://josyarruda.blogspot.com.br/

  3. Ah, Josy hahaha Fiz parte como membro da AIESEC, então tive contato com diversos projetos sociais porque essa é umas das experiências que a organização proporciona pra todos os jovens 🙂 Também estou ansiosaa!

  4. Estaria ansiosa também haha boa sorte e em qualuqer lugar do mundo (ainda mais numa causa dessa <3) é sempre mágico viajar!Ah, um dia serei eu viajando pra fazer intercâmbio hehe

  5. Do que se trata a AIESEC? Não conheço.
    Desculpa, nova no seu blog!

  6. Não tem que se desculpar, linda 🙂 A AIESEC é uma organização internacional totalmente administrada por jovens universitários e funciona como uma plataforma de desenvolvimento de potencial de liderança. A gente faz isso promovendo intercâmbios sociais e corporativos pelo mundo! Existe em quase 200 países, aqui no Brasil o site é esse se quiser conhecer: http://www.aiesec.org.br

  7. ah, tomara, Karol! Vai ser minha primeira viagem internacional, dá um medo haha

  8. Tive uma experiência má sucedida de viagem internacional, mas pq meu psicológico não é dos melhores D: , espero que de tudo certo o , o mundo tá aí pra nos ensinar tanto, por experiência própria, uma semana já ensina mto, 6 semanas então, nem se fala o bjs
    http://www.moniitorando.blogspot.com

  9. Ah, Mônica, que pena 🙁 Pra onde você foi? Quanto à minha viagem, estou aqui faz uma semana e estou gostando muito, o choque cultural já começou!

  10. Passada aqui com seus posts desse intercâmbio e sobre o trabalho no campo de refugiados. Vou ler agora o post do Ali e fuçar no site da Aiesec.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *